domingo, 10 de abril de 2022

RÚSSIA X UCRÂNIA/OTAN: UMA REFLEXÃO


Ricardo de Morais Nunes

  • Servidor público, Bacharel em
  • direito, Lic em filosofia

Esse artigo foi escrito em 07 de março de 2022, não sei qual será a situação da Humanidade na época de sua publicação. Nunca estivemos tão próximos de um conflito nuclear desde a década de 60 com a chamada crise dos mísseis cubanos, quando os Estados Unidos descobriram instalações de mísseis soviéticos em território cubano, portanto, em sua vizinhança.

 Devemos muito ao bom senso dos Estados Unidos e da União Soviética à época, pois, apesar da gravíssima crise de alguns dias que o mundo passou naquele momento histórico, souberam dar um passo atrás e dialogar e com essa atitude evitaram uma terceira e última guerra mundial.

Espero que quando esse artigo for publicado a paz já tenha se estabelecido entre Rússia e Ucrânia.

A Rússia invadiu um país soberano e isso é condenável. Concordo com o ex ministro das Relações Exteriores do Brasil Celso Amorim quando diz que, em termos de direito internacional, tal invasão é “inaceitável”. Segundo Aldo Fornazieri, professor de sociologia, está em jogo o conceito de guerra preventiva:

“que garante a um Estado atacar outro Estado, mesmo que este não tenha desencadeado hostilidade, mas represente algum perigo de ataque futuro no juízo daquele Estado agressor. Foi sob esta justificativa que os Estados Unidos atacaram o Iraque e o Afeganistão. Nenhum dos dois desenvolvia qualquer hostilidade ou representava qualquer perigo imediato para os americanos. A Rússia aplicou a mesma justificativa contra a Ucrânia. Esta não desenvolvia hostilidade e não representava qualquer perigo imediato para a Rússia” (“A guerra preventiva imperial de Putin” –Aldo Fornazieri).

Segundo Fornazieri a tese que defende a realização de guerras preventivas atenta contra o direito e a ordem internacional.

No entanto, se faz necessário conhecer os fatos, até mesmo para encontrarmos saídas para a paz nesse conflito e também para melhor nos posicionarmos frente a ele. A professora de direito internacional, Carol Proner, em artigo recente, no qual tenta compreender as razões da guerra afirma com acerto a meu ver:

 “Essas são apenas algumas das variáveis que ampliam as camadas de complexidade do conflito na Ucrânia. De modo algum justificam a deflagração militar da Rússia contra o país eslavo, mas explicam as razões históricas cumulativas que devem ser compreendidas inclusive como fator para deslindar uma saída para a guerra em andamento. Conhecer em profundidade o conflito também fornece subsídios para arrazoar um novo arranjo internacional que previna não apenas a guerra em si, mas novos tipos de ingerências, de desestabilização e de golpes de Estado”. (“O que acontece na Ucrânia vai além do que a lógica interna da ONU supõe”- Carol Proner)

A guerra, apesar de lamentável, como qualquer outro fenômeno social e político também pode nos fazer aprender mais sobre as estruturas deste mundo em que vivemos.  A guerra pode ensinar sobre o ser humano em particular e sobre as nossas sociedades em geral.

É possível verificar, nas páginas da história mais recente da Ucrânia, uma grande turbulência política e institucional, na qual forças contraditórias pró-Rússia e pró-ocidente se enfrentam seriamente na luta pelo poder naquele país. Não entrarei em todos os pormenores históricos, culturais e políticos que envolvem aquela nacionalidade e suas relações com a Rússia. Para aqueles que desejarem conhecer um pouco mais sobre esse tema há farto material na internet.

  A Ucrânia foi uma das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Dessa forma, particularidades que são fruto dessa relação histórica aparecem com força nessa grave crise, tanto no sentido de existirem aspirações nacionalistas legítimas de independência total em relação a Rússia, por parte de cidadãos ucranianos, quanto no sentido da existência de regiões geográficas separatistas que desejam sua independência por serem pró-Rússia.

A OTAN está cercando militarmente os territórios da Rússia por intermédio de nações vizinhas a suas fronteiras e com isso está rompendo acordos internacionais feitos desde a época da dissolução da União soviética.

 Existe um mapa muito interessante disponibilizado na internet que mostra muito claramente o cerco da OTAN à Rússia através das nações vizinhas, sendo a Ucrânia um dos últimos espaços em termos de segurança geopolítica russa ainda não ocupados.

  A OTAN é a Organização do Tratado do Atlântico Norte. Em outras palavras, uma aliança militar do ocidente liderada pelos Estados Unidos. Trata-se de um produto da guerra fria que rivalizava com o pacto de Varsóvia, aliança militar dos países socialistas.

O pacto de Varsóvia se extinguiu por ocasião da dissolução dos países socialistas no final do século XX. A OTAN está em atividade plena ainda na atualidade, apesar da razão de sua existência, o comunismo soviético, não existir mais.

Segundo o governo da Rússia há motivo para receio, pois a OTAN, em suas fronteiras, significa a possibilidade de ter um vizinho hostil com armas nucleares pronto para atacá-la, o que levaria a um desequilíbrio de forças entre potências historicamente rivais e nucleares. A Rússia trata essa aproximação da OTAN como uma “ameaça existencial”.

Na condição de espírita e também em razão da característica de minha personalidade, sempre serei contrário às guerras e rejeito a violência como caminho para a resolução dos conflitos interpessoais e também entre as nações, aceitando a violência apenas em último caso como legitima defesa frente a uma agressão injusta.

No entanto, constato na história que a violência tem sido inúmeras vezes o modus operandi de resolução de conflitos entre as nações soberanas, e que os interesses econômicos, políticos, enfim, geopolíticos, das nações poderosas militarmente são os que acabam prevalecendo em última instância.

Infelizmente, a lei do mais forte ainda vige entre as nações, apesar de todo o avanço do direito internacional e dos fóruns internacionais.

 Dessa forma, lamento profundamente a invasão da Ucrânia pela Rússia e sinto de coração por todos os que estão morrendo naquele país por causa dessa invasão. Penso nos cidadãos comuns, e mesmo nos soldados de ambos os lados, que sofrem em meio a toda a destruição de uma guerra, e que acabam por terem suas vidas particulares profundamente alteradas.

 O número de refugiados da Ucrânia, nesse momento, já é alarmante, o que se constitui em um gravíssimo problema de acolhimento dessas pessoas em várias partes do mundo, e, em especial, na Europa.

 É necessário dizer, porém, em obediência à minha honestidade intelectual e ao meu senso de justiça, que também lamento esse assédio militar irresponsável proporcionado pelas forças do ocidente, o qual se constitui em uma verdadeira provocação temerária, de um ponto de vista realista das relações internacionais, a uma grande potência nuclear.

 Mais responsabilidade é o que esperamos seja dos líderes do ocidente ou do oriente, ainda mais daqueles que podem iniciar uma guerra nuclear, da qual não nos salvaremos, nem os ucranianos, nem os russos, nem nós, terráqueos, caso ocorra uma guerra dessa natureza.

No Brasil e no mundo esse tema está sujeito a discussões calorosas. Aliás, vivemos a época dos debates em redes sociais, dos cancelamentos e lacrações, em virtude das opiniões sobre diversos temas da vida política e social. Há espíritas, inclusive, que se colocam de um lado ou de outro do conflito.

Entendo, porém, que não se trata de pensar esse conflito de forma maniqueísta, em termos de mocinhos e bandidos em campos claramente demarcados. Há mútua responsabilidade de todos os agentes envolvidos nessa guerra, a qual, inclusive, poderia ter sido evitada se tivesse havido bom senso geopolítico entre as partes.

A consciência da possibilidade da ocorrência de uma guerra nessa sensível questão já era de conhecimento de todas as partes envolvidas, tanto da parte dos russos e dos ucranianos, quanto da parte das potências ocidentais.

 Os russos, ao longo dos últimos anos, deixaram clara sua posição nos fóruns competentes, e os governos ocidentais foram advertidos, inclusive por importantes especialistas e autoridades em relações internacionais do próprio ocidente, que essa proximidade da OTAN das fronteiras russas implicava em sério risco.

Uma vez que essa lamentável guerra está instalada, acredito que o melhor posicionamento dos espíritas e dos humanistas em geral é nos manifestarmos favoravelmente ao cessar-fogo, ao diálogo, à diplomacia e à paz, e torcer por uma boa resolução que contemple o equilíbrio internacional entre potências nucleares.

Portanto, não sou favorável à invasão de qualquer país. Mas não isento de responsabilidades nas causas do conflito nenhuma das partes envolvidas, seja Biden, Putin ,Zelensky ou os líderes europeus.

 Esses personagens e seus governos possuem extrema responsabilidade por esses graves problemas pelos quais estamos passando. Não considerar a responsabilidade histórica e política dos grandes atores internacionais nas causas que levaram a essa guerra, significa ter uma visão parcial da realidade.

  É necessário conhecer a complexidade da realidade, ainda mais em tempos de discurso único, nos quais se procura encontrar um “bode expiatório” para os problemas do mundo. Tem ocorrido com frequência em nossos dias, neste tema, mas também em outros temas relevantes para a sociedade, verdadeiros “bombardeios midiáticos”, nos quais as análises vão apenas em uma direção.

 Esse procedimento de simplificação de problemas de forma binária, através da “demonização” de nações, grupos ou indivíduos com vistas a atribuir uma culpa ou responsabilidade exclusiva em problemas sociais complexos já deu muito errado na história.  O holocausto dos judeus pelos nazistas, a discriminação e perseguição aos islâmicos após 11 de setembro. A onda de sinofobia, estigmatização de chineses, por conta da pandemia de coronavírus, são apenas alguns exemplos.

 Não precisamos, portanto, nesse início do século XXI, de uma russofobia, por mais que respeitemos o direito de soberania da Ucrânia.

Por fim, deixei de abordar no presente artigo as questões econômicas em jogo nessa guerra, as quais fazem o pano de fundo de tudo o que está acontecendo nesse conflito, o qual, embora regional, implica em interesses globais das grandes potências envolvidas. Sendo que tais interesses representam a busca por hegemonia no sistema capitalista internacional.

Se me fosse dado fazer um manifesto sobre essa guerra, aproveitaria a oportunidade na qual estamos percebendo um grave risco de guerra nuclear, para um manifesto solicitando total renúncia, por parte de todas as grandes potências, ao uso de armas nucleares.

Penso que essa renúncia contribuiria, de forma efetiva, se não para a paz universal, pelo menos para afastar o risco de aniquilação instantânea da Humanidade. Que os exemplos históricos de Hiroshima e Nagasaki permaneçam eternamente em nossa memória coletiva de forma indelével!

  Que a nossa parte de espíritas seja o incentivo ao diálogo, à compreensão mútua e a paz! Mais do que nunca é necessário compreender para resolver. E compreender não significa justificar e muito menos desejar a guerra. Significa apenas não abrir mão da racionalidade, mesmo em um momento tão difícil na história do jovem século XXI.

[Artigo publicado originalmente no Jornal Abertura Nº 384 de Abril 2022]

domingo, 13 de fevereiro de 2022

LANÇAMENTO DE LIVRO


 Evento CEPABrasil

Dia 19/02/2022 às 16h (horário de Brasília)

Entrar na reunião Zoom

https://us02web.zoom.us/j/89404863340?pwd=OTRxT1d2Qm9SajFneTN2NGMzNE1PQT09

ID da reunião: 894 0486 3340

Senha de acesso: evento

terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

Palavra do Presidente

            No dia de 06 novembro 2021, tive a honra de ser conduzido à presidência da CEPABrasil, tendo como companheiras de chapa Alcione Moreno, na vice-presidência, Regina Pedron, na secretaria geral, Elisabete Monson, na tesouraria, e o companheiro Néventon Vargas na assessoria de comunicação. Costumo dizer que só aceitei essa incumbência porque essas companheiras e esse companheiro se disponibilizaram a enfrentar esse desafio comigo.

Para o Conselho Fiscal foram eleitos Homero Ward da Rosa, Marissol Castello Branco e Mauro de Mesquita Spínola e como suplentes do referido conselho Delma Crotti, Eva Gonçalves de Almeida e Jailson Lima de Mendonça, todos companheiros (as) com larga experiência em nosso movimento espírita laico e livre-pensador. 

Estamos substituindo a diretoria anteriormente comandada por Jailson L. Mendonça. Jailson e seus companheiros da diretoria anterior fizeram um excelente trabalho no comando da CEPABrasil, possibilitando que a nossa querida instituição chegasse a 2021 em plena atividade na divulgação da perspectiva laica e livre-pensadora de espiritismo em terras brasileiras.

De nossa parte, encaramos esse desafio com humildade. Estamos conscientes de que a CEPABrasil, enquanto instituição de delegados e amigos da CEPA-Associação Espírita Internacional, só tem sentido a partir de uma profunda sintonia ideológica com a entidade maior, hoje dirigida por nossa companheira de ideal e amiga, a brasileira Jacira Jacinto da Silva.

Estamos conscientes, também, que administrar a CEPABrasil em tempos de intolerância política em nosso país não é uma tarefa fácil, considerando que nós, espíritas laicos e livre-pensadores, não abrimos mão do pluralismo de ideias, da postura alteritária e do respeito à opinião diversa.

Porém, não abrimos mão, igualmente, da defesa dos grandes princípios de caráter social que podem ser depreendidos do estudo da filosofia espírita, a qual possui em seus ensinamentos um norte ético, humanista, não partidário, porém político, em seu sentido mais nobre de conceituação.

  Nesta linha de raciocínio, entendemos que o espiritismo, bem compreendido, aponta, inequivocamente, para a valorização da democracia, para a defesa dos direitos humanos, para a preservação ambiental e para a luta contra o racismo, a misoginia e homofobia, entre tantas outras causas importantes de nosso tempo que valorizam a dignidade humana em sociedade, sob a perspectiva da liberdade e da igualdade.

Tudo isso sem perder de vista que a principal tarefa do espiritismo é o enfrentamento do materialismo em bases científicas e filosóficas, com vistas a abrir caminho para uma nova compreensão do ser humano e do mundo. Esta nova cosmovisão, proporcionada pela filosofia espírita, vai em direção a um novo paradigma civilizacional  cujos princípios fundamentais são a imortalidade da alma, sua possibilidade de comunicação com o mundo terrestre através da mediunidade e  evolução intelecto-moral do Espírito através de reencarnações sucessivas.

  Temos como diretriz para o biênio 2022/2023, período de nosso mandato, o apoio a todos os eventos de caráter livre-pensador realizados por nossos associados e pelos espíritas que, embora não associados à CEPABrasil, se afinizem com o livre- pensar no âmbito do movimento espírita e também com a nossa perspectiva científica, filosófica, ética e sociológica de espiritismo.

Como objetivo principal, para esse ano de 2022, pretendemos, se as condições sanitárias permitirem, realizar, na cidade de Santos, no mês de novembro, um Encontro Nacional da CEPABrasil, de caráter híbrido, com fórum de temas livres para apresentação de trabalhos inéditos. 

Esse encontro necessitará do apoio de todos os espíritas livre- pensadores associados e simpatizantes da CEPABrasil. Nosso objetivo é resgatar uma tradição de apresentação de trabalhos por parte de pensadores espíritas, tradição que se iniciou, entre nós, com o Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita, de criação do pensador e escritor Jaci Régis, e que é também comum nos congressos internacionais da CEPA.

Reafirmamos nosso compromisso com a divulgação dos livros da coleção Livre-pensar- espiritismo para o século XXI, promovidos pela CEPA e CPDoc, sendo que nos primeiros meses de 2022 estaremos promovendo lives de divulgação das mais recentes obras publicadas desta coleção.

Por fim, nós, da diretoria da CEPABrasil, convidamos a todos aqueles que amam a filosofia espírita a se juntarem a nós nesta nova etapa de nossa estimada instituição. Convidamos a todos a fazerem parte desse movimento de ideias que busca arejar e desenvolver o espiritismo em nosso tempo, em uma perspectiva de laicidade e livre- pensamento.

Buscaremos, em nosso período de mandato, ampliar as oportunidades de estudo do espiritismo e fortificar nossos laços de amizade, dentro da legitima orientação do “amai-vos e instruí-vos” contida nas obras fundamentais de Allan Kardec.

RICARDO DE MORAIS NUNES

Presidente eleito para o biênio 2022/2023


quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

domingo, 7 de novembro de 2021

ELEITA E EMPOSSADA NOVA DIRETORIA

Conforme o edital publicado em 13 de setembro de 2021, ocorreu em 06/11/2021 a Assembleia Geral Ordinária de eleição e posse para os cargos de Presidente, Vice-Presidente, Secretário-Geral, Tesoureiro, e membros titulares e suplentes do Conselho Fiscal da CEPABrasil, para o biênio 2021-2023, a reunião foi realizada virtualmente, através dos aplicativos Zoom, em segunda convocação, às 16h30. A eleição foi por aclamação, pois só houve uma chapa inscrita. 

A nova diretoria da CEPABrasil, empossada naquela data, ficou composta da seguinte forma:

Presidente: RICARDO DE MORAIS NUNES

Vice-presidente: ALCIONE MORENO

Secretária-geral: REGINA CELI PEDRON

Tesoureira: ELISABETE MARINHO MONSON RODRIGUES

Conselho Fiscal:
Titulares: HOMERO WARD DA ROSA, MAURO DE MESQUITA SPÍNOLA e MARISSOL CASTELLO BRANCO
Suplentes: DELMA CROTTI, JAILSON LIMA DE MENDONÇA e EVA GONÇALVES DE ALMEIDA

A CEPABrasil agradece a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal que concluiu seu mandato e cumprimenta os administradores e conselheiros fiscais empossados, na certeza de pleno êxito em suas respectivas funções. Agradece aos associados e associadas pelo apoio, colaboração e presença na Assembleia Geral e a Rita de Cássia Fernández de Almeida pela assessoria técnica digital durante a realização da Assembleia.

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

EDITAL DE ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E CONVOCAÇÃO ELEIÇÃO 2021

Pelo presente Edital, convocamos os associados para a Assembleia Geral Ordinária, que terá o seguinte desenvolvimento: a) apreciar e decidir sobre o relatório de atividades da Associação; b) Aprovar o balanço financeiro da administração; c) Eleição e posse para os cargos de Presidente, Vice-Presidente, Secretário Geral, Tesoureiro, e eleição do Conselho Fiscal da Associação Brasileira de Delegados e Amigos da CEPA - CEPABRASIL. O cronograma de eleições estabelecido pela Comissão Eleitoral, para o processo eleitoral é o seguinte: dia 13/09/2021 – Divulgação do Edital de Convocação para as Eleições 2021; em 13/10/2021 –data limite para a inscrição de chapas. O requerimento deverá ser endereçado à Comissão Eleitoral da CEPABrasil, indicando o nome dos candidatos, sendo um nome para cada cargo, a saber: Presidente, Vice-Presidente, Secretário-Geral e Tesoureiro e seis nomes para compor o Conselho Fiscal, sendo que os três nomes mais votados serão empossados na condição de Conselheiros Titulares e os outros três nomes serão empossados na condição de Conselheiros Suplentes. O requerimento deverá ser assinado por um dos integrantes da chapa, que passará a ser o seu representante, conforme o previsto no Art. 29 e Parágrafo Único do Estatuto da CEPABrasil. A documentação deverá ser enviada para: Comissão Eleitoral da CEPABrasil, Rua Rio de Janeiro nº 31, Vila Belmiro, Santos, São Paulo, sede do CEAK- Centro Espírita Allan Kardec, podendo, ainda, ser enviada por meio eletrônico, via Internet, para: http://cepabrasil.blogspot.com e/ou cepabrasil@googlegroups.com, até 28/10/2021 – Comunicação do deferimento ou a impugnação de registro de chapas (Art. 28, inc. V, do Estatuto); em 06/11/2021 – Assembleia Geral Ordinária de eleição e posse para os cargos de Presidente, Vice-Presidente, Secretário-Geral, Tesoureiro, e membros titulares e suplentes do Conselho Fiscal da CEPABrasil, para o biênio 2021-2023, a realizar-se virtualmente, através dos aplicativos Zoom ou Google Meet em 1º convocação às 16 h e segunda e última convocação às 16h30. A eleição ocorrerá por maioria simples de votos, através de sufrágio universal, direto e secreto. A votação será por chapa, não sendo permitido o voto nominal para cada cargo. O associado terá direito a um só voto, sendo vedado o voto por procuração, nos termos do Art. 30, §§1º e 2º do Estatuto da CEPABrasil. 

                                                                                     Santos(SP), 13 de Setembro de 2021.

                                                                                   Jailson Lima de Mendonça - Presidente

 

COMISSÃO ELEITORAL:

Miriam Barros Moreira         _______________________________________

Delma Crotti                          _______________________________________

Vilma dos Santos Assunção  _______________________________________

 

segunda-feira, 12 de julho de 2021

Nota dos Espíritas Progressistas ante a crise institucional brasileira


A sociedade brasileira vive um momento de crise aguda, uma crise que afeta gravemente a saúde
e o emprego do seu povo, além do meio ambiente onde vive. A fome se alastra e a violência ameaça
todos e, em especial, os mais vulneráveis. Esse seria, pois, o momento em que os poderes
instituídos pela Constituição Federal de 1988 deveriam unir esforços no sentido de superar
tamanha crise social e econômica. Entretanto, o que se viu e ainda se vê nesse período de longa
pandemia é o Poder Executivo federal caminhar no sentido oposto ao que é necessário e urgente,
abdicando de seu papel de buscar soluções, para, ao invés, transgredir leis e ameaçar uma
sociedade já tão fragilizada pelo momento tormentoso que passa e com o luto coletivo em que está
mergulhada.
O povo brasileiro está horrorizado diante da escalada de ameaças ao Estado democrático e às
liberdades sociais e políticas, vindas de integrantes do Palácio do Planalto e das Forças Armadas.
Dia após dia, verbalizam eles seu desprezo pela democracia e atentam contra as demais instituições
do Estado brasileiro. Recentemente o Senado Federal e o Tribunal Superior Eleitoral tiveram que
se manifestar contra essa verborragia autoritária e ameaçadora vinda dessa gente que ainda não
aprendeu a conviver numa sociedade livre.
Nós, espíritas progressistas, reunidos em diversos grupos, associações e coletivos pelo Brasil,
reiteramos nossos valores de luta por uma sociedade na qual a justiça social e a liberdade plena
sejam conquistas permanentes. Nesse grave momento, conclamamos as diversas instituições de
Estado, em todas as esferas de poder, a se manterem fiéis aos princípios constitucionais e unirem-
se no sentido de garantir a completa apuração dos fatos que levaram à morte de mais de meio
milhão de brasileiras e brasileiros; e de garantir a condução do processo eleitoral previsto para o
próximo ano, sem sobressaltos e sem ameaças. E, assim, possam assegurar ao povo a esperança de
dias melhores, com a superação das crises que nos assolam.
Há um longo caminho a ser percorrido para construirmos uma sociedade mais justa e igualitária,
mas não podemos mais retroceder os passos que já tínhamos dado nesse sentido. Que todos os
brasileiros e brasileiras conscientes, que estejam em cargos nas esferas dos poderes executivo,
judiciário e legislativo possam ter coragem e empenho, para agirem no sentido de garantia de
nossos direitos fundamentais e da democracia.

Assinam esse documento os seguintes coletivos, associações e grupos:

ABPE – Associação Brasileira de Pedagogia Espírita
Abrepaz – Associação Brasileira Espírita de Direitos Humanos e Cultura de Paz
Ágora Espírita
Blog Livre Pensadora
Cejus – Coletivo de Estudos Espiritismo e Justiça Social
CEPA – Associação Espírita Internacional
CEPABrasil – Associação Brasileira de Delegados e Amigos da CEPA
Cetrans – Coletivo espírita pela transformação social
CPDoc – Centro de Pesquisa e Documentação Espírita
EàE – Espíritas à Esquerda
Espíritas Progressistas
Girassóis – Coletivo Girassóis, Espíritas pelo Bem Comum

Brasil, 12 de julho de 2021

segunda-feira, 7 de junho de 2021

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA REUNIÃO DE DIRETORIA

Pelo presente Edital, convocamos os associados da Associação Brasileira de Delegados e Amigos da Confederação Espírita Pan-Americana – CEPABrasil, CNPJ 07.155.135/0001-75, para a Reunião de Diretoria a realizar-se no dia 07 de Julho de 2021, às 16 horas, na sede do Centro Espírita Allan Kardec, CEAK, localizado na Rua: Rio de Janeiro nº 31, Vila Belmiro, Santos/SP, ocasião em que, nos termos do artigo 27 do Estatuto Associativo da CEPABrasil, será nomeada a Comissão Eleitoral, para organizar e conduzir a eleição que elegerá os membros da diretoria para o biênio 2021/2023: Presidente, Vice-Presidente, Secretário-Geral, Tesoureiro e os integrantes do Conselho Fiscal.

                                                                                  Santos-SP, 07 de junho de 2021.

                                                                                                                    Jailson Lima de Mendonça

                                                                                                                              Presidente

terça-feira, 13 de abril de 2021

15º Fórum Espírita do Livre-Pensar da Baixada Santista

Após o sucesso do Lançamento da Coleção Livre-Pensar, da CEPA, participe do 15º Fórum Espírita do Livre-Pensar da Baixada Santista, nas seguintes quartas-feiras, 14, 21 e 28/04/2021, às 19h45, via Zoom e transmitido ao vivo pelo Facebook.

Tema Central: "O Espiritismo ante os desafios humanos"

Temas:

·         Dia 14 - "Espiritismo na perspectiva laica e livre-pensadora", com Milton Medran e Salomão Benchaya, autores do primeiro livro da coleção Livre-Pensar Espírita. Moderação de Alexandre Cardia Machado.

·         Dia 21 - “O Espiritismo ante os desafios humanos na perspectiva da liberdade, igualdade e fraternidade”, com Arthur Chioro, Ricardo Nunes e Mauro Spínola. Moderação de Márcia Rahabani.

·         Dia 28 - “Espiritismo ante os desfios humanos”, painel com os ex-presidentes da CEPA, Jon Aizpúrua, Milton Medran e Dante Lopez e a atual presidenta Jacira Jacinto. Moderação de Jaílson Mendonça.

 

A sala de espera estará aberta a partir das 19h30.

Ao iniciar a palestra, mantenha o seu microfone desativado.

Link do Zoom: https://us02web.zoom.us/j/89216465968 ... – Direto

Link do Facebook: https://www.facebook.com/ceak.santos/

 




sexta-feira, 13 de novembro de 2020

domingo, 27 de setembro de 2020

terça-feira, 25 de agosto de 2020

 


A criança é a vítima...

A violência sexual é um assassinato da alma da criança

Dr. Ricardo Breier – presidente da OAB/RS

O caso da criança de dez anos, residente na cidade de São Mateus, no Espírito Santo, que acusa o tio de estuprá-la durante quatro anos e finalmente engravidá-la, chamou atenção da sociedade brasileira para o gravíssimo problema do abuso sexual infantil. De acordo com estudo do IPEA-Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e do Ministério da Saúde, as mulheres são as maiores vítimas de estupros no Brasil. Porém, mais de 50% dos casos dessa tragédia, cruel e nefasta, reúne ataques contra crianças de idade até 13 anos.

Queixando-se de dores abdominais, a criança foi levada pela avó ao atendimento médico, sendo descoberto que estava grávida. Como jamais desejasse essa gravidez, mesmo porque sua relação sexual era abusiva e criminosa, decidiu interromper a gestação recorrendo ao judiciário, por sua avó e representante legal. A autorização foi prontamente concedida.

O caso chegou ao conhecimento público e isso acirrou a luta ideológica de grupos a favor e contra a descriminalização do aborto, aproveitando o fato para defender as suas posições.  Após breves e tímidas manifestações de solidariedade à vítima, foi desconsiderado, como  menos importante, o drama, o sofrimento, a violência do estupro continuado vivido por ela, nos melhores anos de sua infância. O interesse efetivo dos grupos antagônicos concentrou-se na decisão da vítima de interromper a gestação.

Sem dúvida, o debate de temas polêmicos como o aborto é muito importante, pois leva a sociedade a refletir, amadurecer e posicionar-se sobre um assunto tão sensível, grave e urgente.

Não obstante, para tudo, há tempo e lugar.

 Agora, todas as ações e energias deveriam dirigir-se ao acolhimento dessa criança. Nada era mais importante do que compreender e respeitar a decisão da vítima em interromper a   gravidez indesejada.  Mas o que se viu foi o oportunismo indiferente à dor física, psicológica e moral, que o silêncio e as lágrimas da criança revelaram às equipes de saúde que a atenderam.  Em frente ao CISAM, Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros, no Recife (PE), centro de referência onde a criança estava sendo atendida, a turba de insensatos se manifestava com gritarias, cartazes, palavras de ordem e xingamentos. Ninguém estava preocupado com a criança abusada, mas declarando-se contra o aborto legalmente previsto e judicialmente autorizado. O médico Olympio Moraes Filho ouviu aos gritos a pecha de “assassino!”.  Mas não se intimidou com as ofensas e ameaças, e concluiu o seu trabalho, convicto de que aquela gravidez oferecia riscos de morte à paciente. O Dr. Moraes Filho, há doze anos, foi excomungado pela Igreja Católica de Pernambuco, por haver interrompido a gravidez de uma menina de 9 anos, estuprada pelo padrasto.

É repugnante a exploração da dor de uma criança para sustentar posições políticas ou ideológicas, inclusive as que apelam pela fé religiosa. O que se impõe é a máxima ponderação e respeito, compaixão e plena solidariedade, tentando o resgate possível de dignidade humana dessas crianças sofridas. É o mínimo que todos devemos a elas, além do pedido de desculpas, por nossa incapacidade em zelar por sua integridade e segurança, evitando a repetição dessas tragédias de consequências tão sombrias e dolorosas. Como sociedade que deseja tornar-se socialmente responsável e humanizada, precisamos compreender ao invés de julgar, consolar e não atormentar, esclarecer e não obscurecer as vítimas da cultura machista, misógina, egoísta, preconceituosa e violenta que ainda predomina em nosso País.  

A CEPABrasil – Associação Brasileira de Delegados e amigos da CEPA,  observa os fatos em seu contexto, com suporte na filosofia espírita humanista, laica, evolucionista e livre-pensadora, tateando caminhos para entender a complexidade da vida e da jornada do espírito imortal. Não defendemos o aborto generalizado e irresponsável, mas reconhecemos que há circunstâncias muito particulares a ser consideradas e decididas conforme a vontade da gestante e a lei, como neste caso. É preciso respeito e acolhimento ao desamparo das vítimas, além de toda a assistência médica, psicológica e social. O humanismo deve nortear as nossas ações e decisões sempre.

Para finalizar, deixamos como reflexão, uma poesia do poeta turco Nazim Hikmet, falecido em 1963.

Antes de tudo o ser humano

“Não viva nesta terra

 como um estranho

Ou como um turista da natureza.

Viva neste mundo

como na casa do seu pai:

creia no trigo, na terra, no mar,

mas antes de tudo creia no ser humano.

Ame as nuvens, os carros, os livros,

mas antes de tudo ame o ser humano.

Sinta a tristeza do ramo que seca,

do astro que se apaga,

do animal ferido que agoniza,

mas antes de tudo

sinta a tristeza e a dor do ser humano.

Que lhe deem alegria

todos os bens da terra:

a sombra e a luz lhe deem alegria,

mas sobretudo, a mãos cheias,

lhe dê alegria o ser humano!”

A diretoria

terça-feira, 9 de junho de 2020

Vigencia de Kardec en el siglo XXI

Conferencia del Prof. Jon Aizpúrua (Venezuela) celebrado a través de la aplicación ZOOM, el 07-06-2020. Aizpúrua habla sobre la necesidad de actualizar el Espiritismo, enfatizando la vigencia absoluta de Kardec. Las conferencias tienen lugar en vivo, siempre los domingos, a las 11:30 am Vzla, organizadas y publicadas por CIMA Movimento de Cultura Espírita.
Todas las conferencias se publican en el canal oficial de YouTube "CIMA Cultura Espirita - OFICIAL": https://www.youtube.com/channel/UC8Bni4WH2QczkO9yC2u1SFA

quinta-feira, 30 de abril de 2020

ELEIÇÃO NA CEPABrasil


Jailson é reeleito presidente da CEPABrasil

Conforme previsto no Edital de Convocação, datado de 13 de setembro de 2019, a Associação Brasileira de Delegados e Amigos da CEPA realizou Assembleia Geral Ordinária em 09 de novembro de 2019, para eleição e posse de seus novos dirigentes e conselheiros fiscais, bem como a nomeação de assessores, a saber:

Conselho Executivo:
Presidente: Jailson Lima de Mendonça (reeleito).
Vice-Presidente: Matheus Laureano Oliveira dos Santos (reeleito).
Secretário-Geral: Homero Ward da Rosa (reeleito).
Tesoureira: Elisabete Marinho Monson Rodrigues (reeleita).
Assessora Especial da Presidência: Acione Moreno
Assessor de Comunicação: Néventon Vargqas

Conselho Fiscal:
Titulares: Alexandre Cardia Machado, Delma Crotti e Marissol Castello Branco.
Suplentes: Margarida da Silva Nunes, Maria Luisa Rossi e Rodrigo Almeida Alves.

 Na foto, a partir da esquerda, a tesoureira, o presidente e o secretário-geral eleitos e empossados na Assembleia Geral da CEPABrasil.



sexta-feira, 6 de outubro de 2017

NOTA DE REPÚDIO



NOTA DE REPÚDIO À INTOLERÂNCIA

       A Associação Brasileira de Delegados e Amigos da CEPA – CEPABrasil,  por esta Nota, solidariza-se com o senhor  Eurípedes Higino Reis, filho do médium espírita Francisco Cândido Xavier, e com os demais familiares e admiradores de Chico Xavier,  relativamente a depredação covarde, anônima e sorrateira, do busto em sua homenagem, erigido no Cemitério São João Batista, em Uberaba (MG).  O episódio ocorreu no último sábado, dia 30 de setembro de 2017. De acordo com declarações do senhor Eurípedes, há suspeita de tratar-se de intolerância religiosa, eis que não é o primeiro ataque perpetrado contra a memória do médium e, ademais, três terreiros de umbanda foram atacados na última semana na cidade, provavelmente por fanáticos religiosos.

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

LAICIDADE EM PERIGO

Separação entre Estado e religião não pode sofrer retrocessos, diz jornalista

Para Milton R. Medran Moreira, diretor do Centro Cultural Espírita de Porto Alegre, questões que dizem com a fé devem ser construídas autonomamente no íntimo do educando. 

O Supremo Tribunal Federal acaba de perder a oportunidade de referendar o caráter laico do Estado brasileiro. A Procuradoria-Geral da República questionou a constitucionalidade de dispositivo da Lei de Diretrizes e Bases que permite o ensino obrigatório, embora de matrícula facultativa, do ensino religioso nas escolas públicas. Por interpretação dada àquela lei, ministros de confissões religiosas são chamados a dar aulas de religião nas escolas públicas. Para a PGR, atenta contra a laicidade do Estado a docência, por ministros de uma religião, de seus dogmas em escolas públicas. Pretendia a ADI substituir o ensino confessional por conteúdos históricos das religiões, a cargo de professores públicos.

Apesar do brilhantismo com que o relator, ministro Luís Roberto Barroso, acolhia, em seu voto, a pretensão do Ministério Público Federal, a ação acabou julgada improcedente por seis a cinco.

domingo, 28 de maio de 2017

VIII FÓRUM - FLAGRANTES

Wilson Garcia, André Luiz Peixinho. Paulo H. Figueiredo e Milton Medran

Palestra de Marcel Mariano
Palestra de Herivelto Carvalho

sábado, 27 de maio de 2017

VIII FÓRUM DO LIVRE-PENSAR ESPÍRITA

FLAGRANTES DA NOITE DE ABERTURA


ABERTURA PELO PRESIDENTE DA CEPABrasil, HOMERO WARD DA ROSA
  
Adicionar legenda
CONFERÊNCIA DE MILTON MEDRAN MOREIRA